Home   |   Fale Conosco   |   Área Restrita

GRUPO SINAGRO            SERVIÇOS            ONDE ESTAMOS            GESTÃO DE PESSOAS            RESPONSABILIDADE           PARCEIROS




Soja tem dia de volatilidade em Chicago, mas fecha em alta com previsão de calor intenso nos EUA Print

Segunda, 18 Julho, 2016


Soja tem dia de volatilidade em Chicago, mas fecha em alta com previsão de calor intenso nos EUA

Como não poderia deixar de ser, a primeira sessão dos futuros da soja, nesta segunda-feira (18), foi de intensa volatilidade na Bolsa de Chicago e, após começar o dia com perdas de mais de 10 pontos entre os principais vencimentos, o mercado fechou o dia em campo positivo. As posições mais negociadas da oleaginosa encerraram os negócios subindo entre 5,75 e 9,25 pontos, levando o novembro/16 a alcançar os US$ 10,66 por bushel. 

Segundo informações de portais internacionais, os traders vêm trabalhando com informações de que uma nova onda de forte calor se move pelos Estados Unidos e esse foi um dos principais fatores de ganho dos preços. De acordo com informações apuradas pelo site Agriculture.com, há um novo modelo climático indicando que essas temperaturas elevadas deverão continuas sobre o Meio-Oeste americano por mais tempo, podendo estender-se para a próxima semana. 

Para o analista de grãos, Pete Meyer, da PIRA Energy, "qualquer liquidação de posições (como as que foram registradas mais cedo) parece encontrar compradores", disse em entrevista ao Agriculture.com. "No entanto, sazonalmente, esse é momento difícil para qualquer espécie de rally. Dessa forma, a menos que o calor desta semana se transforme em um evento mais prolongado, a tendência é de que os mercados se mantenham na defensiva. Para o vencimento novembro, referências abaixo de US$ 10,25 por bushel não são boas notícias", completou.

E para demais analistas internacionais, o mercado da soja na Bolsa de Chicago deu início a semana testando mesmo patamares de suporte ligeiramente mais baixos, próximos dos US$ 10,40 e, ao se aproximarem desse nível, amenizaram as baixas ou voltaram a subir, para concluir o pregão em alta. Nas mínimas do dia, o setembro/16 bateu em US$ 10,43 e o novembro/16 em US$ 10,33. 

Nos mapas do NOAA, o departamento oficial de clima dos Estados Unidos, para os próximos 8 a 14 dias, ou seja, de 25 a 31 de julho, as temperaturas seguem mostrando-se acima da média para esse período do ano, enquanto as chuvas seguem abaixo. Veja as imagens a seguir. Já no curtíssimo prazo, entre quarta (20) e quinta-feira (21), as previsões indicam um enorme sistema de alta pressão que se desloca diretamente para Kansas e Oklahoma, de acordo com informações do Accuweather. 
"Acredito que haja uma real possibilidade de que, entre quinta e sexta-feira (22), uma grande área poderá registrar temperaturas alcançando quase 38ºC (100ºF)", explica Bernie Rayno, meteorologista do instituto norte-americano.

Temperaturas previstas nos EUA entre os dias 25 a 31 de julho - Fonte: NOAA

Temperaturas previstas nos EUA entre os dias 25 a 31 de julho - Fonte: NOAA

Chuvas previstas nos EUA entre os dias 25 a 31 de julho - Fonte: NOAA

Chuvas previstas nos EUA entre os dias 25 a 31 de julho - Fonte: NOAA

Mercado Interno

Enquanto a volatilidade se acentua cada vez mais no mercado futuro norte-americano durante o pico do mercado climático dos EUA, no Brasil, principalmente no mercado disponível, os preços buscam se descolar cada vez mais e refletir o atual cenário de baixa disponibilidade de produto e vendedores retraídos no Brasil. Além desse quadro de demanda forte e oferta ajustada, os prêmios pagos nos portos - que já chegam a superar os US$ 2,00 por bushel sobre os valores praticados em Chicago para algumas posições de entrega - são outro importante pilar para as cotações intenas. 

Assim, no interior do país, as cotações já pagam melhor em muitas praças de comercialização. "Temos uma entressafra muito bem definida no Brasil e com a oferta escassa, a tendência é de que os preços domésticos voltem a subir. Além disso, a safra americana, em algum momento, pode passar por um stress e levar o mercado em Chicago a testar alguma recuperação, ajudando a puxar também os preços internos", explica o consultor de mercado Carlos Cocgo, da Carlos Cogo Consultoria Agroeconômica. 

Entretanto, o consultor chama atenção para a questão cambial, fator que poderia ser um limitador dessa avanço dos preços. O dólar vem registrando baixas frequentes frente ao real, com dificuldade em voltar e manter-se no patamar dos R$ 3,30. E nesta segunda-feira não foi diferente. A moeda norte-americana  iniciou o dia em campo positivo, porém, voltou a recuar e fechou os negócios em queda. 

Dessa forma, os preços da soja no mercado brasileiro tiveram um fechamento misto neste início de semana, com altas e baixas tanto no interior do Brasil, quanto nos portos. Em Paranaguá, o produto disponível chegou a registrar os R$ 89,00 por saca, porém, recuou 1,12% e foi a R$ 88,00, enquanto em Rio Grande subiu 0,24% para alcançar os R$ 85,20 em relação às referências da última sexta-feira (15). Já o oleaginosa com embarque previsto para abril a maio de 2017 terminaram com, respectivamente, R$ 83,00, caindo 1,78%, e R$ 83,20, estável. 


Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas



Ver todas as notícias!





NOTÍCIAS POR ASSUNTO



PESQUISA






Home   |   Quem Somos   |   Serviços   |   Onde Estamos   |   Gestão de Pessoas   |   Responsabilidade   |   Parceiros   |   Contato


FAÇA-NOS UMA VISITA


SINAGRO - MATRIZ

Rua Rio de Janeiro, 2.583, Primavera IV

Primavera do Leste - MT, 78.850-000

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


 


  ©2018. Grupo Sinagro. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento e Hospedagem